quarta-feira, 1 de outubro de 2014

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Mutirão no Parque Linear Água Podre (22/09)

No dia 22/09, além do Dia Mundial Sem Carro, também comora-se o dia do Tietê.

Este dia simboliza a luta pela despoluição dos rios da Metrópole de São Paulo que contribuem com suas Águas para a formação do nosso grande Rio, o Tietê.

Se os rios de menor porte forem passando por ações de saneamento básico, os rios mariores mudarão sua qualidade consecutivamente.

Sendo assim, desde 2003, a Comissão de Moradores da Região do Riacho Água Podre e a ONG GEMA participam do monitoramento participativo das Águas do riacho Água Podre (http://sosobstiete.znc.com.br/grupos/PSP36/). Este projeto, o Observando os Rios, é organizado pela SOS Mata Atlântica e busca reaproximar as pessoas dos rios de sua região. Este contato se reflete em ações e mobilizações pela requalificação destas localidades.

Em comemoração ao Dia do Tietê, a Comissão, em parceria com a EE Ibrahim Nobre, promoverá uma mutirão. Serão plantadas sementes e mudas de árvores, coletado parte dos resíduos encontrados e haverá o monitoramento da qualidade da Água do nosso riacho. A Atividade será no dia 22/09/14 (segunda-feira), no terreno desapropriado da Vila Tiradentes (Rua Cel. Paulo Soares Moura, 255), das 9h30 às 11h. 

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Ciclocidade faz nova contagem de ciclistas na Eliseu dia 09/09/14


Em setembro a Ciclocidade participa de mais uma Semana da Mobilidade, em comemoração ao Dia Mundial Sem Carro. Serão realizadas diversas atividades e ações para homenagear aqueles que pedalam pela cidade e para seguir estimulando a discussão sobre o uso da bicicleta em São Paulo.

Entre as atividades estão previstas algumas contagens de ciclistas, uma delas na Av. Eliseu de Almeida, no dia 09/09/14.
Busca-se colaboradores para essa contagem!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Criação do Parque do Jóquei

MOVIMENTO PELA CRIAÇÃO DO PARQUE CHÁCARA DO JOCKEY

CARTA ABERTA

São Paulo, 15 de agosto de 2014.

Nos últimos 12 anos, os moradores da região administrativa da Subprefeitura do Butantã, acompanham e participam da luta pela criação do Parque da Chácara do Jockey. Foram muitas as ações, sempre assumidas com muita participação, compromisso e generosidade por companheiros que integram a REDE de Entidades e Forças Sociais do Butantã; integrantes da Família Pequeninos do Jockey; moradores e artistas do Morro do Queresone; companheiros do FoCA – BT (Fórum de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Butantã); tivemos ajuda e participação dos integrantes da OCDC( Organização Cultural de Defesa da Cidadania) e do CPP (Movimento de Combate às Enchentes do Pirajussara e Poá) , além dos moradores e trabalhadores dos bairros do Monte Kemel, Jardim Pirajussara e Ferreira, entre outros.

 A página no Facebook, pela criação do Parque, também foi um diferencial estratégico para a formação de opinião e mobilização das pessoas.

Outro destaque a ser feito foi a participação dos paroquianos da igreja Nossa Senhora de Fátima, inspirados pelo grande lutador Padre Darci! Só na paróquia foram coletadas mais de 4mil assinaturas para a implantação do Parque.

Essa é uma vitória popular que deve ser comemorada pela nossa região e cidade!!!

Agora temos de acompanhar o processo de desapropriação e implantação do parque.

A região Administrativa do Butantã tem muitas carências e urgências, em especial o entorno do parque, com bairros como Monte Kemel, Ferreira e comunidades como Jaqueline. Não podemos esquecer  que a perspectiva das estações de metrô possibilitará um fluxo ainda maior de usuários, para esse novo espaço público.

Todos esses anos de luta pelo parque fizeram com que essas comunidades e tantos outros lutadores de toda a nossa região administrativa, construíssem pontes de diálogo, as mais variadas, pensando em possibilidades de uso para o novo parque, que não o descaracterize por princípio... Tem de ser um parque público!

Nosso acúmulo de reflexões não pode ser desconsiderado e deve, principalmente, ser  potencializado, por isso, é urgente que nós todos que acreditamos no diálogo democrático e na participação popular atuemos divulgando e formando a opinião das pessoas, que todas as ideias e sugestões precisam ser debatidas e incorporadas em processos de audiência pública que a nossa comunidade começa a articular hoje.

Assim acreditamos que fortalecidos pelo debate e encaminhamentos coletivos e apoiados pelos técnicos do poder público, vamos ajudar na implantação de um novo espaço público de qualidade para a nossa região e cidade.

Registramos aqui preocupações e certezas que acumulamos nesses anos de diálogo e luta:

 O espaço da Chácara do Jockey deve ser transformado em Parque Público, com a prioridade de manutenção e ampliação da área verde, bem como, a preservação de sua marca histórica, de espaço direcionado à prática esportiva. Repudiamos e não aceitaremos a instalação de qualquer departamento da prefeitura ou subprefeitura nesse espaço (OBS: a instalação de um posto da guarda civil é necessário, mas não instalação de um "escritório ou sede");

2º Outra necessidade da nossa região é  a garantia de alternativas de lazer, cultura, atividades e propostas que possam ser opção para nossas crianças, adolescentes e idosos, população que por suas características etárias e de dificuldade de se fazerem ouvir, devem ser priorizados! Projetos nesse sentido devem ser estruturados;

processo de diálogo e escuta da comunidade, deve ser planejado e garantido, através de uma agenda de visitações à  Chácara do Jockey , que ajudem e qualifiquem o debate, sobre a implantação do futuro parque, através também de um cronograma de audiências públicas;

Garantir a preservação do patrimônio físico (construções), potencializando e melhorando a estrutura para a implantação de espaços de convivência, formação e lazer ( Ex - brinquedos para crianças, pistas de caminhada, quiosques, museu, biblioteca, CAPES, educação ambiental, hortas comunitárias, espaços de compostagem).

5º Facilitar o acesso ao futuro Parque, com um projeto de mobilidade específico, que considere linha de ônibus a partir do metrô, ciclovia, ações de acessibilidade, etc.









quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Audiência Pública sobre faixa de ônibus na rodovia Raposo Tavares

A primeira audiência pública sobre a instalação de uma faixa de ônibus na Rodovia Raposo Tavares foi considerada um sucesso pelos participantes.

Apesar da ausência do poder público estadual, os organizadores destacaram alguns pontos positivos: 

Qualidade das intervenções, nº de pessoas presentes(125 pessoas) e a composição da mesa de abertura que priorizou a sociedade civil.

Representantes do vereador Toninho Véspoli e Coronel Telhada, que estavam presentes na audiência, já apresentaram um pedido de audiência pública na Câmara dos Vereadores, sobre a implantação da Faixa na Raposo. A audiência terá que ser proposta pela comissão de trasportes, e terá a mediação do Vereador Senival.

Na Assembléia Legislativa os mandatos do deputado Gianazzi e do deputado Carlos Neder, também já entraram com pedido de audiência pública, junto à comissão de trasportes da casa e ainda não obtiveram resposta.


segunda-feira, 28 de julho de 2014

Plebiscito popular por uma Constituinte exclusiva e soberana do sistema político brasileiro


A próxima reunião do Comitê Oeste do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político Brasileiro será realizada na próxima terça-feira, às 19h, na Subprefeitura do Butantã. Estão todas e todos convidados para participar e contribuir com a construção da campanha nesta região da cidade de São Paulo.

Reunião do Comitê Oeste do Plebiscito
Data: 29//7
Horário: 19h
Local: Subprefeitura do Butantã, R. Ulpiano da Costa Manso, 201

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Parque Linear Água Podre


Em 16/07/2014, na subprefeitura do Butantã, durante a reunião do CADES-Bt, foi apresentada a situação da implantação do Parque linear Água Podre.

Destaque especial foi dado à construção comunitária do projeto, em vários de seus detalhes, como o método de contenção das margens do córrego, equipamentos comunitários e construção de unidades habitacionais para as famílias removidas.

No entanto, após um gasto que já soma R$ 33 milhões, o parque ainda não é uma realidade. Muito foi investido em desapropriações, incluindo a área em que estão as nascentes do córrego da água podre, porém as atividades de contenção das margens e construção de moradias, por exemplo, estão paradas.

A apresentação pode ser vista em:

https://www.dropbox.com/s/135kr4ljcwj4gyq/%20PLAP%20-%20CADES%20-14.pdf


e o documento entregue para os conselheiros pode ser lido na aba acima.

Informe-se e entre nessa luta pelo projeto mais exemplar de ação comunitária em prol do meio ambiente já feito no Butantã!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Faixa de ônibus na Raposo Tavares

Moradores do bairro do Butantã, interessados na melhoria do trânsito desumano das manhãs e tardes na Rodovia Raposo Tavares, iniciaram uma campanha pela efetivação de faixa exclusiva de ônibus nessa via.

A Raposo Tavares funciona atualmente como uma avenida no trecho que percorre dentro da capital paulista. Há a previsão tanto no novo plano diretor aprovado, como no planejamento da secretaria de transportes metropolitanos, da implantação de uma faixa de ônibus na via para favorecer o uso do transporte coletivo.

Abaixo o material de divulgação dos cidadãos mobilizados.



terça-feira, 3 de junho de 2014

Serviços públicos de saúde, educação, assistência, cultura e lazer do Butantã


 Os estudantes Ana Carolina Laki, Camila Nieviadonski, Felipe Gemelgo e Lilian Augusto, do curso de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, estagiários do CRAS Butantã, disponibilizaram para a Rede Butantã e para a população em geral, mapas com a a localização dos serviços públicos oferecidos no bairro do Butantã:

http://prezi.com/g0-brtpjafb_/mapa-de-servicos-de-saude-educacao-e-assistencia-do-butanta/?utm_campaign=share&utm_medium=copy




Seminário Violências e Violações de Direitos, da Coordenação de Políticas para Idosos

Para se inscrever no  Seminário Violências e Violações de Direitos, da  Coordenação de Políticas para Idosos que será realizado no Céu Butantã,  em 10/06/2014‏  acesse o  link  abaixo

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/direitos_humanos/noticias/index.php?p=172395

Céu Butantã
Avenida Engenheiro  Heitor Antonio Eiras Garcia nº 1700/1820

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Feira de Saúde e Cidadania do Butantã

A Feira de Saúde e Cidadania do Butantã acontecerá no CEU Uirapuru, Distrito Raposo Tavares, no dia 24 de maio, das 9 às 16h. 

Participantes: 
Superintendência de Saúde (Suvis Bt)
Unidades Básicas de Saúde (UBSs)
DST/AIDS
Instituto Butantã
Subprefeitura do Butantã (praça de atendimento no local)

Outros equipamentos ligados à saúde,  bem como de associações/ instituições públicas e privadas, ligadas a ações pró cidadania,  participará dela, também, 

Haverá ainda  uma programação cultural, elaborada  pela  Casa da Cultura do Butantã , em parceria com o CEU Uirapuru.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Que nota o Jilmar vai tirar?


No dia 08/05/2014 o secretário municipal de transportes Jilmar Tatto esteve na Casa de Cultura do bairro do Butantã para discutir a respeito da implantação da ciclovia na avenida Eliseu de Almeida.

Representantes da Rede Butantã aproveitaram a oportunidade para entregar a ele um documento com diversos questionamentos importantes para a cidade e para o bairro.

São 20 questões para ele responder... que nota o Jilmar vai tirar?

Veja abaixo.



quinta-feira, 10 de abril de 2014

Atividades Parque Alfredo Volpi

- 09/04 e 16/04 - Atividade “Recicle seu pano que ele dura mais um ano”, promovida pela UMAPAZ com a Tânia. Atividade de dois dias - se inicia no dia 9 e tem sua conclusão no dia 16.


- 26/04 às 18h30 – Trilha Noturna com Trilhas Urbanas – em comemoração ao aniversário do parque


-27/04 – Aniversário do Parque – Trilhas Urbanas às 10h.



quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Movimento pelo retorno do itinerário do ônibus 577T/10 Jd Miriam - Vila Gomes

Reproduzimos a carta do movimento com seu posicionamento e reivindicações:

"A partir do dia 24/02, uma nova linha de ônibus vai atender a região do Butantã, zona oeste de São Paulo. A notícia poderia ser muito boa, mas não é. O 8018/21, a nova linha de ônibus em questão, fará o trajeto entre a Vila Gomes e o metrô Butantã nos horários de pico (das 5h às 9h e das 16h às 20h). Mais uma vez, os usuários do transporte público não foram ouvidos. Mais uma vez os mesmos erros foram cometidos.

O 8018/21 nunca foi necessário. A criação desta linha é ainda mais ofensiva que a circulação do 8018/10 Vila Gomes - Vila Sônia. A proposta de criação deste itinerário foi feita na concentração para a primeira manifestação pelo retorno da linha 577T/10 Jardim Miriam - Vila Gomes e causou indignação nos manifestantes. Definitivamente, a reivindicação do Movimento Volta Jd. Miriam/ Vl. Gomes não é essa.

Os problemas no transporte público da Vila Gomes começaram a aparecer em outubro, mês em que a linha 577T/10, o azulzinho, teve seu ponto final transferido para o metrô Ana Rosa. Desde então, moradores do bairro e arredores começaram a lutar pelo retorno da linha, que passava por mais de 15 hospitais e atendia vias importantes como Rebouças, Paulista, Vergueiro, Domingos de Moraes e Jabaquara. Sem analisar as verdadeiras necessidades da região, a solução encontrada pela Prefeitura foi colocar a linha 8018/10. Os dois bairros são praticamente vizinhos. Não é a toa que essa linha de ônibus quase sempre está vazia.

A retirada do 577T foi, acima de tudo, um desrespeito com os idosos que residem na Vila Gomes. Segundo o último Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o bairro tem o setor censitário paulistano com o segundo maior número de idosos, entre os mais de 18 mil setores censitários existentes na cidade. Em 2010, 166 moradores da Vila Gomes tinham mais de 80 anos. Ainda segundo o IBGE, pouco mais de 10 mil idosos vivem no distrito do Butantã. Esses idosos dependiam do 577T para ir aos hospitais. Como achar correto o fato de pessoas com dificuldades de locomoção serem obrigadas a fazer várias integrações ou enfrentar os longos caminhos do metrô? Mesmo com elevadores no metrô, a viagem fica muito mais demorada e desgastante sob os trilhos para quem já chegou na terceira idade. Uma linha que vai até o metrô Butantã no horário de pico não resolverá os problemas dessas pessoas, portanto é inútil.

Reorganização e fim da sobreposição de linhas. Essas foram as principais justificativas da Prefeitura para os cortes de linha em São Paulo. No papel, é tudo perfeito: cortam-se as linhas que fazem a ligação centro-bairro, levam-se os usuários para o metrô e todos ficam satisfeitos. A realidade é outra: os ônibus vindos de outros bairros ficam mais lotados, o metrô, ainda mais saturado, o tempo de viagem aumenta e todos ficam estressados. Só quem passa por isso todos os dias sabe o tamanho dos sofrimentos e dificuldades. Para finalizar, uma contradição: se o objetivo é acabar com as sobreposições, a criação do 8018/21 já começou errada.

Nós não vamos parar enquanto não formos ouvidos! Não vamos parar enquanto o azulzinho não voltar!"